March 26, 2019

February 28, 2019

May 23, 2018

November 11, 2017

October 7, 2017

September 23, 2017

September 13, 2017

August 11, 2017

Please reload

Posts Recentes

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Posts Em Destaque

O tubarão aprisionado

O tubarão aprisionado

 

A brincadeira começou com uma das crianças (vou chamá-lo aqui de João) se envolvendo com os tecidos e logo estávamos fazendo parceria contra algo muito grande. Foi quando o João falou: “sou um tubarão, estou no meio do oceano”. Estendemos os tecidos no chão para que eles representassem o mar, eram tecidos em tons de azul e branco e o “tubarão” era forte, grande e tentava nos pegar. Foi então que iniciamos uma caça ao tubarão. Criamos algumas estratégias para capturá-lo, mas era realmente muito difícil de pegá-lo e parecia não gostar de estar preso, pois escapava com muita facilidade. Foi então que percebi algo naquele movimento espontâneo: querer sempre escapar e a angústia de estar preso. E durante o resto da brincadeira ficamos na tentativa de prender o tubarão e o João na tentativa de não se deixar prender.

Em nossa roda de reflexões, falamos do prazer de brincar, de como o tubarão era forte e poderoso e então eu perguntei: “Mas João, me pareceu que você não gostou quando a gente tentou te prender.” E ele falou: “É que quando eu estou sozinho parece que eu estou numa prisão.” Foi revelador ouvir uma criança de 7 anos conseguir falar de si com tanta propriedade, com tanta certeza. Continuamos a conversar e ao longo de suas colocações João revelou situações em casa onde faltam conversas, cada um em seu quarto e poucas situações em que a interação familiar estivesse presente. Nesses momentos o vazio toma conta e gera nele um sentimento de estar aprisionado.

Acolhi o João com muito amor, atenção e escuta, pois talvez isso o faça sentir-se livre. Foi um momento de muita emoção na sessão e de entender cada vez mais a importância da afetividade entre os familiares, de sentar e ouvir seus filhos, perguntar como foi seu dia, sentar juntos à mesa para fazerem refeições, de ler um livro, dar boa noite com um beijo na testa e terminar o dia com “Eu te amo meu filho”.  

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload